Abelhas nativas: inclusão de mulheres e jovens na economia local

Dona Graça Glins, da Asmelc, mostra uma de suas colmeias no quintal de casa, na comunidade de Cabeceira, em Curuçá. Foto: Rafael Araújo

Além de contribuir para a biodiversidade e combate às mudanças climáticas, o Programa Abelhas Nativas da Amazônia, do Instituto Peabiru, mostra o potencial da meliponicultura – criação de abelhas sem ferrão – como atividade que inclui mulheres e jovens de comunidades tradicionais na economia local, com a comercialização do mel e a produção de cosméticos artesanais. Sabonetes, shampoos e esfoliantes feitos de mel de abelhas sem ferrão já são produzidos pela Associação dos Meliponicultores de Curuçá (Asmelc).

O mel comercializado se torna renda complementar para famílias de comunidades rurais. Foto: Soane Melo

O Instituto Peabiru trabalha com capacitação em meliponicultura em comunidades tradicionais da Amazônia desde 2007 e já atendeu cerca de 350 famílias rurais nos estados do Pará e Amapá. “A experiência envolve educação ambiental, oportunidade de incrementar a renda familiar dos agricultores e combate ao desmatamento e queimadas”, destaca o pesquisador Richardson Frazão, coordenador do Programa de Abelhas Nativas e Populações Tradicionais, do Instituto Peabiru.

Em Curuçá, na região do Salgado Paraense, o trabalho é realizado em parceria com a Asmelc, formada na maioria por mulheres donas de casa, que muitas vezes dependem financeiramente dos maridos. Porém,  com a possibilidade de produção de mel no próprio quintal, readquiriram autoestima para acreditar no empreendedorismo.
“Eu me sinto mais livre e mais dependente. Dependo das abelhas e elas dependem de mim”, explica Cleudes Pimenta, 32 anos, uma das associadas. Ela conta que com com o dinheiro da primeira venda de mel comprou maquiagem e alimentos para casa. A meliponicultora acredita ainda que a a atividade do mel pode render ainda mais.”Acredito que o mel vai dar certo e quando começar a produzir vai dar bastante. Vou anotar tudo o que gasto no bico da caneta, quanto gasta e a quanto vende o mel”, afirma.

As donas de casa podem produzir mel em casa, instalando várias colmeias – o meliponário (foto) no quintal. Foto: Rafael Araújo

Segundo Frazão, o que difere a meliponicultura da apicultura – abelhas africanas com ferrão – é a possibilidade de manuseio sem investimentos em aparatos e ferramentas. O fato das abelhas nativas não terem ferrão, e poderem ser criadas nos quintais das casas, dá oportunidade de geração de renda também para mulheres e jovens.  “As mulheres criam as abelhas em comeias construídas em casa, não precisam sair”, afirma. O programa faz parte das ações do Projeto Casa da Virada em Curuçá, que é financiado pelo Programa Petrobras Ambiental, da Petrobras.

, ,

Os comentários estão desativados.