Mídia

logo

Apresentação

O Instituto Peabiru é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) com a missão de facilitar processos de fortalecimento da organização social e da valorização da sociobiodiversidade. Atua nacionalmente, com atenção ao Pará (Marajó, Região Metropolitana de Belém e Nordeste Paraense). Em junho de 2018 completou 20 anos de atuação. Com sede em Belém, Pará trabalha em 4 eixos, destacando-se:

  1. Assistência técnica a Agricultores Familiares, Povos e Comunidades Tradicionais – fortalecer capacidades individuais, coletivas e associativas para a governança territorial e gestão dos recursos locais, especialmente para exigir direitos básicos e em prol da sustentabilidade, conservando a terra, a cultura e o ambiente, e promovendo a segurança alimentar, hídrica e energética. Destaque para: a. Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER); b. fortalecimento de produtores em Cadeias de Valor da Sociobiodiversidade (açaí, pesca artesanal – camarão, caranguejo e pescado – , produtos florestais não madeireiros, como óleo de andiroba e mel de abelhas sem ferrão) e turismo de base comunitária. A atuação mais antiga é na cadeia do mel de abelhas sem ferrão que conta, no momento, com o apoio do BNDES, Bauducco e da Fundação Banco do Brasil; c. segurança no trabalho no meio rural (açaí); e d. apoio ao monitoramento, reflexão e elaboração de estratégias de garantia de direitos. Para dinamizar suas atividades o Peabiru criou a empresa Peabiru Produtos da Floresta, que mantém a Lojinha do Peabiru, em sua sede e comercializa produtos da sociobiodiversidade amazônica, com o apoio do Instituto GPA e do Grupo Pão de Açúcar (Assai).
  1. Proteção Social a Crianças, Jovens e Mulheres – contribuir para garantir os direitos de crianças e jovens, em prol de maior equidade entre mulheres e homens e o empoderamento das mulheres. Destaques: a. indicadores sociais públicos para crianças e jovens (Selo UNICEF Edição 2017-2020); b. estímulo e suporte a organizações sociais e negócios rurais liderados por mulheres.
  1. Responsabilidade Social Corporativa – construir parcerias com empresas, entes públicos e comunidades afetadas pelas operações da empresa em prol da sustentabilidade, especialmente para: a. a mediação de conflitos; b. Implementação de tecnologias sociais para solução de problemas do entorno de empreendimentos (energia sustentável, sistemas de água de chuva etc.); c. Fortalecimento da organização social para representatividade de atores de interlocução com poder público e iniciativa privada; e d. Construção participativa de planos de desenvolvimento local. Destaques: cadeias de valor da palma (dendê), mineração, papel e celulose. Atualmente realiza serviços para a Hydro, em Barcarena; Cargill, em Abaetetuba, Louis Dreyfus Company e Instituto Dreyfus, em Ponta de Pedras, Marajó, no Pará, Suzano Papel e Celulose, em Belém, PA (Facepa) e Sul da Bahia, e tem parcerias para o desenvolvimento local com Agropalma, Denpasa e Biopalma.
  1. Conservação da Biodiversidade – aumentar o conhecimento sobre a biodiversidade do bioma Amazônia, especialmente do Centro de Endemismo Belém (Amazônia Maranhense e Pará a leste do Rio Tocantins); contribuir à conservação de áreas públicas e privadas prioritárias para conservação; e promover a educação ambiental. Destaques: a. Programa ProGoeldi para revitalização do Parque Zoobotânico do Museu Goeldi, Belém, Pará. b. Conservação de polinizadores, especialmente abelhas sem ferrão; e c. Educação ambiental para crianças e jovens.