Discussões sobre a monocultura do arroz marcam audiências públicas esta semana no Marajó

As discussões sobre a questão da cultura do arroz no Marajó marcam a manhã desta segunda-feira, 12, em Salvaterra. Um reunião pública ocorre na Câmara Municipal convocada pelo Ministério Público Federal (MPF) e pelo Ministério Público do Estado (MP/PA) esta manhã, a partir das 9 horas. Nesta terça-feira, 13, a audiência pública é em Cachoeira do Arari, município onde os rizicultores instalaram as plantações.

De acordo com nota divulgada pelo MPF, a realização das audiências faz parte de investigação conjunta do MPF e MP/PA aberta a partir de denúncias de que a introdução do plantio de arroz no Marajó estaria se dando por meio da invasão de terras públicas e do desmatamento ilegal. “A prática estaria colocando em risco o patrimônio socioambiental e arqueológico da região, além de expulsar a população rural para as cidades”, diz o comunicado. A falta de atendimento à legislação ambiental e o uso excessivo de defensivos agrícolas também estão entre as denúncias.

O Colegiado de Desenvolvimento Territorial do Marajó (Codetem), o Instituto Peabiru e a Diocese de Ponta de Pedras apoiam a iniciativa e assinaram uma carta para mobilizar a população de Cachoeira do Arari para participar dos debates. Entre as principais questões estão o a expansão do município, agora cercado pelas plantações de arroz,  a posse de terra nas áreas rurais, a pesca do Lago Arari e a poluição dos rios e do ar com os agrotóxicos utilizados.

O diretor do Instituto Peabiru, João Meirelles Filho, coordenador do Programa Viva Marajó, acompanha a questão da rizicultura no Marajó e afirma que a proposta da FAEPA e do Governo do Estado, de plantar 300 mil hectares, afetará a vida de milhares de quilombolas, ribeirinhos e moradores da região, que não foram consultados. “É preciso garantir que os mecanismos legais para um grande empreendimento sejam seguidos”, destaca.  Meirelles menciona  que não foram feitos Estudos de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental (EIA-RIMA) para expansão da monocultura no Marajó, o que é obrigatório. “Além disto, trata-se de uma intervenção radical, que afeta a biodiversidade e está em uma unidade de conservação – a APA do Marajó”, complementa.

A audiência pública está aberta a participação de toda a população. Também foram convidados representantes de prefeituras municipais, câmaras de vereadores, secretarias estaduais e municipais de Meio Ambiente e Agricultura, Secretaria do Patrimônio da União, Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), o Codetem, Instituto Peabiru, Instituto de Terras do Pará (Iterpa),  Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepará), Federação da Agricultura e Pecuária do Pará (Faepa) e Associação dos Municípios do Arquipélago do Marajó (Amam).

Serviço

Audiências públicas sobre os impactos da rizicultura no Marajó
Em Salvaterra: 12 de agosto, às 9 horas, na Câmara de Vereadores
Em Cachoeira do Arari: 13 de agosto às 9 horas, no Ginásio Municipal

, , , , , , ,

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: