Instituto Peabiru apresenta resultados de pesquisas científicas realizadas em Curuçá (PA)

A Reserva Extrativista Mãe Grande Curuçá que guarda uma das maiores extensões de mangue do Pará (Foto: Rafael Araújo)

A Reserva Extrativista Mãe Grande Curuçá que guarda uma das maiores extensões de mangue do Pará (Foto: Rafael Araújo)

Descobertas sobre tartarugas marinhas, abelhas nativas sem ferrão e uma das últimas matas de terra firme remanescentes da Zona do Salgado, a Mata Amazônica Atlântica, estão entre os resultados do Projeto Casa da Virada, do Instituto Peabiru, que desenvolve  ações socioambientais no município de Curuçá, nordeste do Pará. O seminário científico de apresentação dos estudos realizados entre os anos de 2010 e 2013 está marcado para a terça-feira, 17, 9h, no Auditório do Ministério Público Federal (MPF), em Belém.

Desde 2007, o Instituto Peabiru atua em Curuçá, onde se encontram 20 mil hectares de mangue protegidos pela Reserva Extrativista Marinha Mãe Grande Curuçá. “Os resultados do trabalho dos pesquisadores são públicos e devem contribuir para o plano de manejo da Resex”, afirma Richardson Frazão, coordenador do projeto. Com metodologia participativa, que envolve a comunidade local, o trabalho é feito em parceria com o Museu Paraense Emílio Goeldi e o Núcleo de Meio Ambiente da Universidade Federal do Pará (NUMA/UFPA), envolvendo 28 pesquisadores. As pesquisas devem contribuir para a conservação do Salgado Paraense, uma das regiões com alto índice de desmatamento.

Grupo de pesquisadores do Museu Goeldi que participam dos trabalhos de campo em Curuçá

Grupo de pesquisadores do Museu Goeldi que participam dos trabalhos de campo em Curuçá (Foto: Instituto Peabiru)

Para orientar políticas ambientais, os pesquisadores fizeram levantamento de espécies ameaçadas, tais como quelônios aquáticos, marinhos e de água doce, além de recursos naturais da economia extrativista, como o caranguejo, e estudos arqueológicos. As pesquisas apoiadas pelo projeto visam gerar conhecimento e construir indicadores que possam ser avaliados com a participação das comunidades. Na região de Curuçá, desde a década de 1980, discute-se a construção de um mega-porto para navios de alto calado e seu impacto nos ecossistemas locais e comunidades – o Super-porto do Espadarte.

Pescadores, catadores de caranguejo e marisqueiras dependem da conservação do mangue para a geração de renda e, segundo Frazão, coordenador das ações, qualquer desequilíbrio ambiental pode prejudicar milhares de famílias. “A comunidade precisa conhecer de fato quais os elementos naturais que estão no seu território para tomar decisões sobre o uso sustentável dos recursos naturais e monitorar eventuais impactos”, destaca. O Projeto Casa da Virada é patrocinado pelo Programa Petrobras Ambiental, da Petrobras.

Serviço

Seminário científico projeto Casa da Virada, Instituto Peabiru

Data: 17 de setembro de 2013, terça-feira.

Horário:  9h

Local: Auditório do Ministério Público Federal – MPF

Endereço: Rua Domingos Marreiros, 690, Umarizal, Belém/PA.

É preciso confirmar a presença no telefone (91) 3222-6000.

Mais Informações:

peabiru@peabiru.org.br

(91) 3222-6000

, , , , , , ,

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: