Foto: Naylana Thiely.

#COVID19 O que está acontecendo no Marajó?



O Instituto Peabiru está colaborando com organizações e movimentos locais dos territórios em que atua para dar visibilidade aos contextos e demandas dessas localidades na pandemia de Covid-19. Atuando há mais de uma década no território do Marajó, destacamos aqui o cenário que enfrentam os municípios marajoaras e iniciativas de apoio para a região.

A região do Marajó tem sido duramente atingida pela Covid-19. De acordo com dados da pesquisa Epicovid-19 da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Breves é o município com maior proporção de casos confirmados da doença no Brasil. Ainda conforme o estudo, 24,8% da população brevense já desenvolveu anticorpos contra a doença – isso indica que cerca de ¼ da população contraiu Covid-19.

Nesse contexto de disseminação do vírus, iniciativas voltadas à prevenção e controle do vírus são de extrema importância.


Campanha Marajó vivo


Uma das iniciativas com foco no Marajó é a Campanha Marajó Vivo, idealizada pelo Museu Emílio Goeldi, Museu do Marajó, Prelazia do Marajó, Diocese de Ponta de Pedras, Irmandade do Glorioso São Sebastião, Fundação pela Inclusão do Marajó, Observatório de Direitos Humanos e Justiça Social do Marajó, (vinculado à Universidade Federal do Pará), e o Instituto Iacitatá Amazônia Viva.

Eixos de atuação Marajó Vivo


O Marajó Vivo atua em três eixos centrais:

1. Divulgação de informações
2. Realização de atividades
3. Coleta de doações.

O eixo Divulgação de informações se mostra especialmente importante em função do contexto de disseminação de fake news, mensagens e notícias falsas em relação à doença. Enfatizar a importância do distanciamento social e do uso correto da máscara, bem como manter atualizado o registro de casos e óbitos por Covid-19 são as linhas de atuação desse primeiro eixo.

O segundo e terceiro eixo se dão, principalmente, por meio do intermédio de demandas entre agentes de saúde e sociedade civil e órgãos governamentais.

Plano de metas Marajó Vivo


A campanha organizou um plano de metas para maio a junho. Estão sendo arrecadadas cestas básicas, produtos de higiene, máscaras caseiras e de proteção individual, materiais para a confecção de máscaras para posterior distribuição no Marajó. Além disso, as medidas estão assim organizadas:


Notas técnicas COVID-19 e Marajó



Nota técnica 1
Panorama da COVID-19 nos municípios do Marajó, Pará
4 de junho de 2020

Nota técnica 2 –
Cenários de isolamento social e uso de máscaras
no Arquipélago do Marajó, Pará

15 de junho de 2020

Como ajudar?


Saiba como ajudar nas ações de enfrentamento à #COVID19 no arquipélago do #Marajó


Contatos
(91) 98821 6263 / (91) 99192 7741

Doações
Banco do Brasil 001
Agência: 1686-1
Conta: 34368-4
CNPJ: 04.696.357/0001-07
Diocese de Ponta de Pedras


Acompanhe MarajóVivo nas redes sociais





Observatório do Marajó


O Observatório do Marajó surgiu com a proposta de revelar a verdadeira urbanização do território marajoara e contribuir para fortalecimento da população local. A iniciativa proporciona instrumentos que aumentam a participação popular nas tomadas de decisões sociopolíticas, sendo aliados ao fortalecimento das políticas públicas locais.

Diante do cenário de pandemia do Novo Coronavírus, a organização levantou a campanha “Rede Mulheres Marajoaras em Movimento”. A meta da campanha buscava assegurar suporte para as mulheres marajoaras que se mudaram para as periferias de Belém, repassando-lhes o valor de R$ 400,00 reais pelo período de dois meses (junho e julho).

A meta foi alcançada, graças aos 93 apoiadores que ajudarão 30 mulheres. Além da campanha, o Observatório tem trabalhado na divulgação de dados estatísticos que atualizam a situação local a cerca das contaminações por COVID19 e também tem promovido debates em suas redes sociais para sensibilizar a população em geral da gravidade vivida na região.

O Observatório do Marajó produziu publicação especial sobre os primeiros 40 dias de Marajó com coronavírus. O documento traz informações do Marajó e dos seus 16 municípios relacionadas ao contexto social (dados de saneamento básico, acesso à água e à saúde), à evolução do coronavírus na região e à transparência e à comunicação das prefeituras do Marajó nesse momento! A publicação contou com colaborações do Programa de Direitos Humanos, Infâncias e Diversidade do Arquipélago do Marajó (DIDHAM/UFPA), do Instituto de Governo Aberto e do Instituto Água e Saneamento.

O documento está disponível para acesso no site do Observatório (Link abaixo);

Cadernos do Marajó:
Primeiros 40 dias de Marajó com Coronavírus


Acompanhe Observatório do Marajó nas redes sociais

%d blogueiros gostam disto: