A importância dos manguezais e o trabalho do Instituto Peabiru com ecossistemas de mangue na Amazônia

Ecossistemas costeiros de transição entre os biomas terrestre e marinho, os
mangues estão presentes em mais de 50 municípios na Amazônia e têm
grande importância ambiente e social para a região.

Atividades comunitárias em manguezais na região do Salgado Paraense, em Curuçá (PA).
Foto: Rafael Araújo


Reconhecendo a relevância destes ecossistemas, o Instituto Peabiru se dedica desde o início de sua atuação na Amazônia aos manguezais. Diante dos desafios que esta agenda apresenta, a atuação tem se desenvolvido por meios diversos e complementares, englobando a pesquisa científica, ações de educação ambiental, geração de renda local, monitoramento de indicadores ambientais, entre outros.

No nordeste do estado do Pará, um de seus territórios prioritários de atuação na Amazônia, o Instituto Peabiru tem trabalhado em duas sub-regiões: na Zona Costeira – região do Salgado e região Bragantina (especialmente Curuçá, Marapanim, Bragança, Tracuateaua e Augusto Corrêa); e na Zona Interior, principalmente em Abaetetuba, Acará, Barcarena, Mojú e Tailândia. No litoral, as agendas de atuação referem-se à proteção de manguezais e ecossistemas associados e à pesca, especialmente diante de mudanças climáticas e aumento do nível do mar.

A contribuição do Peabiru se desenvolveu nas últimas décadas através de ações sistematizadas em dois projetos principais: Casa da Virada (2006 – 2009 e 2012 a 2015) e Meu Mangue (2014). Mais recentemente, o Instituto prepara-se para o início de novas ações na região costeira, com o recém aprovado projeto Mangues da Amazônia (2020 – 2022).


Linha do tempo de projetos dedicados ao tema

Casa da virada (2006 – 2009 e 2012 – 2015)

O projeto Casa da Virada recebeu financiamento do edital público Petrobras Socioambiental e foi executado em parceria com o Museu Goeldi e organizações locais. Sua execução se deu em duas fases: 2006 a 2009 (Casa da Virada) e 2012 a 2015 (Casa da Virada – Mata Amazônica Atlântica), a partir da descoberta de novo ecossistema na Amazônia, a Mata Amazônica Atlântica. O programa foi realizado no município de Curuçá, na Reserva Extrativista Marinha (Resex) Mãe Grande de Curuçá, nos eixos: Conservação ambiental e arqueológica; Educação Ambiental e Construção da Agenda 21, que definiu plano de ações a partir da realidade local para solução de problemas socioambientais em escala mundial.

Participantes do projeto Casa da Virada, em Curuçá (PA).
Foto: Rafael Araújo


Meu Mangue (2014)

Projeto Meu Mangue, realizado pelo Instituto Peabiru e apoiado pelo Criança Esperança com objetivo formar agentes ambientais em Curuçá, Salgado Paraense. O projeto “Meu Mangue” teve como objetivo transmitir conhecimentos estratégicos relacionados à educação ambiental para jovens do ensino médio e seus professores do município de Curuçá. O Instituto Peabiru foi uma das 103 instituições selecionadas pela Rede Globo e a UNESCO para desenvolvimento de ações para crianças, adolescentes e jovens em 74 cidades e 26 estados do país. O projeto fez parte da categoria “Educação para o desenvolvimento sustentável e preservação do meio ambiente”, do Criança Esperança. Desenvolvido pelo Instituto Peabiru com apoio do Criança Esperança, o projeto realizou aula inaugural para cerca de 70 jovens do município de Curuçá (PA). Mais de 50 jovens formaram-se como agentes ambientais nas duas primeiras turmas do ano de 2014, através do projeto Meu Mangue, Educação e Ambiente.

Mangues da Amazônia (2020 – 2022)

Atualmente em fase de contratação o “Mangues da Amazônia” tem por finalidade a recuperação e conservação de manguezais em Reservas Marinhas (RESEX Mar) localizadas na costa nordeste do Estado do Pará. O projeto atuará na RESEX Mar Araí-Peroba, em Augusto Corrêa; RESEX Mar Caeté Taperaçu, em Bragança e na RESEX Mar Tracuateua, em Tracuateua. O Instituto Peabiru é o proponente do projeto e conta com parceria do Laboratório de Ecologia de Manguezal (LAMA), da Universidade Federal do Pará (UFPA). O LAMA faz parte do Instituto de Estudos Costeiros (IECOS) da UFPA – Campus de Bragança e desenvolve projetos junto ao Peabiru na região bragantina.


Ações em destaque

Intercâmbio ambiental chama atenção para conservação do mangue – 2012

Instituto Peabiru reúne em Curuçá 37 jovens participantes dos cursos de formação com foco em Educação Ambiental. Durante quatro dias de férias os jovens puderam conhecer de perto a importância de áreas de mangue para a proteção da biodiversidade marinha, além de exemplos de cadeias de valor sustentáveis, como produção de abelhas nativas sem ferrão e ecoturismo de base comunitária.

Educação Ambiental: Instituto Peabiru abre curso de formação de professores em Curuçá – 2012

A formação de professores em Educação Ambiental planejada para funcionar com palestras e oficinas sobre alternativas econômicas sustentáveis, as cadeias de valor inclusivas; biotecnologia; alfabetização e treinamento digital; e metodologia de projetos ambientais.

Roteiro turístico mostra a Amazônia pelas mãos das comunidades tradicionais – 2013

Experiência de Ecoturismo de Base Comunitária (EBC), proposta pelo Instituto Peabiru, em parceria com a Estação Gabiraba, agência de turismo pioneira no setor. A iniciativa também faz parte das comemorações dos 15 anos de atuação da ONG. Projeto de educação ambiental para Curuçá será beneficiado pelo Criança Esperança em 2014 – 2013

Formação de  100 jovens do município, em quatro turmas quadrimestrais. Para formação dos multiplicadores foram capacitados 80 professores da rede pública de Curuçá e municípios vizinhos no tema “Educação Ambiental”.  O curso de Agentes Ambientais formou mais de 400 alunos e 120 professores.


Estudos científicos

Projeto Casa da Virada

Indicadores de monitoramento ambiental comunitário – 09/12
Caderno Agenda 21 Local – 09/12
Experiência de intervenção socioambiental no Salgado Paraense – 09/12
Relatório de Vegetação – Lista de Espécies Curuçá – 04/12
Relatório de Pesquisa Quelônios – 08/12

Projeto Casa da Virada – Fase 2: Mata Amazônica Atlântica

Desenvolvimento Local e Áreas Protegidas – 03/12
Relatório de Pesquisa Sensoriamento Remoto – 01/13
Relatório de Pesquisa Abelhas Sociais e Solitárias – 03/13
Relatório de Pesquisa Vespas Sociais e Solitárias I – 03/13
Relatório de Pesquisa Vespas Sociais e Solitárias II – 03/13
Relatório de Pesquisa Ictiofauna – Pesca artesanal – 09/13
Relatório de Pesquisa Vegetação – 09/13

Projeto Meu Mangue e Casa da Virada

Gerenciamento de projetos de desenvolvimento educação e ambiental – 09/12


Mapas

Casa da Virada
Mapa de paisagens de Curuçá – 21/10/13
Mapa de cobertura vegetal das ilhas Ipomonga, Romana, Marinteua, Areuá e Mutucal – 04/14


Vídeos

Projeto Meu Mangue no programa Criança Esperança – 18/08/14
Educação ambiental forma multiplicadores de ações pela conservação – 05/06/13

, , , ,

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: